SISTEMAS ERP EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS – Não existe “bala de prata” para os problemas da Organização –

Pequenas e médias empresas (PME) são importantes na economia de muitos países. Para ser considerada PME, uma empresa deve apresentar faturamento bruto anual dentre as seguintes faixas de valores: – pequenas, de 360 mil a 4,8 milhões de reais; – médias,  acima de 4,8 milhões a 300 milhões de reais (BNDES, 2019). As PME representam no Brasil 27% do Produto Interno Bruto – PIB e aproximadamente 52% do emprego formal (SEBRAE, 2019). São consideradas um desafio para implementação de tecnologias da informação, como por exemplo, o Enterprise Resource Planning (ERP), devido às limitações que enfrentam, sejam elas de caráter financeiro ou de estrutura organizacional. Com relação às limitações financeiras, as soluções em nuvem podem ser uma opção interessante às PME, devido a não necessidade de investimento em infraestrutura de computadores e redes.Como muitas outras tecnologias inovadoras, os sistemas ERP foram implementados inicialmente nas organizações de grande porte, mas com a saturação do mercado das grandes empresas, os fornecedores têm voltado seus esforços para as PME, com ofertas mais atraentes e, mais recentemente, com tecnologia em nuvem, oferecendo os ERP na forma de serviço.
Com o decorrer dos anos tem-se obtido maior conhecimento dos Fatores Críticos de Sucesso (FCS), o que provê às organizações um melhor processo de implementação de seus projetos de ERP. Apesar de existirem estudos sobre a implementação de ERP, a implementação em pequenas e médias empresas carece de mais aprofundamento.
Antes dos sistemas ERP existirem, os processos e os dados estavam espalhados por diversos sistemas de informação, ou seja, as empresas possuíam sistemas diferentes para fazer a gestão de compras, de produção, de recursos humanos, da contabilidade e o pior, cada um com sua própria base de dados. Essa fragmentação era apontada como uma razão para atrasos e distorções das informações. A integração dos processos pela tecnologia da informação se dá por meio dos sistemas ERP, que integram muitos tipos de informações a partir de um único banco de dados.
O mercado de ERP, no mundo, é significativo e tem apresentado crescimento considerável nos últimos anos, segundo as publicações das empresas fabricantes. Uma pesquisa divulgada pelo instituto IDC, revelou que as pequenas e médias empresas, localizadas no interior dos estados, têm buscado profissionalizar sua gestão. Essas empresas teriam como principal objetivo a redução de custos com processos manuais e um melhor nível de qualidade das informações, com mais agilidade e assertividade, além de passarem a conhecer melhor seus clientes. Com a informatização de seus processos, as PME podem atender melhor algumas exigências legais e também as exigências das grandes empresas, para as quais forneçam ou pretendam fornecer seus produtos e serviços.
A utilização de sistemas ERP, em geral, está na lista de desejos dos executivos, independente do porte da empresa, mas a sua adoção não é uma decisão simples, em vista de tudo o que envolve a seleção e implementação desse tipo de sistema.
Diferentes razões levam à adoção de um ERP, independente do tamanho da empresa. Dentre elas estão:
 Eficiência organizacional, visando redução de custos;
 Concorrência;
 Legislação, que gera obrigações sujeitas a penalizações;
 Obsolescência do parque tecnológico que a empresa tem em uso.
 Padronização de processos.
 Limitações dos sistemas legados em relação ao crescimento da empresa.
O tamanho da empresa tem relação direta com a sua complexidade organizacional, fato que deve ser levado em conta na adoção de um sistema ERP, procurando-se a forma de implementação que seja mais adequada para cada situação. No caso das PME, a menor complexidade pode ser um fator facilitador à implementação de ERP, frente a muitas outras limitações.
O processo de implementação de ERP é um velho conhecido dos que já passaram por essa experiência e pode alertar sobre algumas falhas importantes, com base em casos reais, que podem ocorrer tanto pelo lado do cliente como pelo lado das consultorias, como também no processo de venda dos softwares. Sistema ERP não pode ser considerado a “bala de prata” para os problemas da organização, porque isto realmente não existe.
Portanto,  prepare as pessoas da sua empresa, conhecendo os processos e regras de negócio, suas limitações, seus requisitos e tudo mais que envolve um projeto de implementação de ERP, para que o seu projeto seja um sucesso de curto prazo, sob a ótica de escopo, prazo e custo, e de longo prazo no que se refere  aos benefícios alcançados com a sua utilização.

Antonio Morales Filho
Sócio Diretor da UltraCon Consultoria

Tags: , ,

antonio-morales

Write a Reply or Comment